Daqui até a eternidade…

16 Feb

O gancho vem daqui – amor tem de sobra, o que falta é gente qualificada pra receber. O que te qualifica pra receber? Aí depende. É subjetivo demais, emocional demais, inexplicável demais.

Na mesa ao lado, três casais jantavam juntos. A loira de cabelos nos ombros e voz estridente reclamava do namorado, na frente dele e de todos os amigos. Que ele chegou cedo demais para buscá-la. Que no outro dia, atrasou meia hora. Que aos domingos, dorme até o meio-dia. Que deuzolivre se ele acha que depois de casar vai continuar dormindo assim – já pensou?

Não. Não pensei. A única coisa que pensei foi “por quê raios vocês vão casar se ele é tão ruim assim?”. Ruim é ela, pensei em seguida, enquanto escolhia a sobremesa. Entre uma grosseria e outra, vem a pérola: “mais uma cerveja? Você não acha que tá bebendo demais?”. A loira, chata que só, alfinetava o noivo enquanto o garçom, plantado à beira da mesa, ostentava um sorriso pra lá de amarelo.

Discutir na frente dos outros é isso: sorriso amarelo. Desdenhar da pessoa “amada” na frente dos outros é péssimo – hipocrisia, aliás, chamar de “pessoa amada” alguém que você só destrata. O mundo tá cheio de gente querendo ter alguém pra tratar bem. É bom ficar atento.

Olhei, tentando disfarçar, enquanto eles discutiam quantas cervejas já tinham ido goela abaixo. O sorriso amarelo do garçom era compartilhado pelas outras pessoas que jantavam com eles.

Abre parênteses; mas não muito.

Minha vó sempre dizia que roupa suja se lava em casa. Do alto de sua caretice, tinha razão em muitas coisas; essa era uma delas. Foi casada com meu avô por 64 anos, nos últimos 10 ele esteve doente. Ficou cada vez mais doente, foi perdendo as forças, a fala, os movimentos, foi esquecendo de tudo. Até dela ele esqueceu. Mesmo assim ela nunca saiu dali. Quando perguntavam pra ela como ele estava, era enfática: “está ótimo. Está melhorando cada vez mais”. Uma mentira deslavada – meu vô tinha Alzheimer, só piorava, não sabia quem era ela e nunca ia ficar bom. Mas minha vó guardava essa parte ruim e difícil da vida a dois a sete chaves, dentro de casa.

Fecha parênteses.

Guardadas as devidas proporções, é nisso que eu acredito. Que as relações duradouras são aquelas em que os problemas são discutidos, divididos e resolvidos dentro de casa. Depois que a gente escolhe e é escolhida, tem que dividir muito mais do que a cama, uma garrafa de vinho e o tubo de pasta de dentes. Tem que dividir dias ruins, dias frios, dias cansativos, problemas. Tem que multiplicar paciência, tem que respirar fundo. Tem que ponderar. Mas não tem que contar nada disso pro mundo não. Não tem nada mais feio, deselegante e sorrisoamarelante do que um casal fazendo picuinha em público. Não importa se é o cara que zoa a namorada ou se é a namorada que enche a paciência: é uma bomba de efeito moral pra quem está perto.

Porque o amor, esse bichinho danado que a gente tanto quer pra vida, tem mesmo que ser regado, cultivado, pra durar pelo menos 64 anos. Não adianta amar no Facebook, botar foto com filtro tirada em Veneza, música romântica como legenda. Tem que ser de verdade, de carne e osso.  Tem que ter orgulho de quem ama. E ser motivo de orgulho também.

A velha história de deixar o lado bom pesar mais na balança, sabe? Porque daqui a 64 anos, quando você estiver doente numa cama, acredite: só tem uma pessoa no mundo que vai cuidar de você até o fim. Não serão seus pais, nem seus irmãos, nem seus filhos. Vai ser esse cara aí, que bebe muita cerveja, se atrasa sempre e só acorda depois do meio-dia.

Advertisements

6 Responses to “Daqui até a eternidade…”

  1. Rui February 16, 2012 at 12:08 pm #

    Eu li isso e lembrei dessa do Louis CK: http://www.youtube.com/watch?v=x81M3g3zjXc

  2. Nadja G. February 16, 2012 at 2:52 pm #

    Cara, também acho essa de discutir em público ou destratar a namorada(o)/noiva(o)/mulher/marido o fim da picada. O FIM.

    Uma das minhas amigas mais queridas é casada com um cara que faz isso. O tempo todo critica ela, interrompe o que ela está dizendo porque ela sempre diz tudo errado (segundo ele), e da última vez que nos vimos ele comecou a brigar com ela sobre a educacao que iam dar ao filho que ela tem na barriga. FIM DA PICADA.

    Adorei o texto, como sempre! Beijos

    • Paula Schutze February 16, 2012 at 9:40 pm #

      fim da picada define, Nadja. um beijo pra você.

  3. Pri Le E Julia March 2, 2012 at 11:21 am #

    Que texto inteligente…amei…queria poder compratilar no face…pode?

    • Paula Schutze March 2, 2012 at 12:33 pm #

      Claro que pode, é só citar a fonte =)

      • Pri Le E Julia March 6, 2012 at 6:45 pm #

        postando…. rs escreva sempre, vc é otima colocando td em palavras

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: