aquele vazio.

5 Feb

para silvia e bianca

de tempos em tempos sou acometida por uma espécie de vazio. não sei se posso chamá-lo exatamente de vazio, já que ele fica escondido, sem ocupar espaço. e portanto sem deixar coisa alguma cheia de nada. se é que me entendem.

me disseram que é um vazio da vida porque a vida toda é uma preparação pra morte. e que não soe fúnebre ou sinistro, por favor. é a conhecida trama do “morre-se um pouco todos os dias”. todos os dias que não voltam nunca mais, você sabe, são dias mortos, falecidos, não voltam mais, alguns deles passam batido e outros vão se juntando até formar esse tal desse vazio. e no vazio também tem uma certa tristeza, uma boa quantidade de saudade, melancolias passadismos & afins. a saudade que se sente do cheiro de flor de laranjeira da casa da mãe em meados de setembro, setembros que já morreram. a saudade das cangas espalhadas no gramado verde do trabalho, julhos quentes, julhos que já morreram junto com os trabalhos que já morreram. as mesas que já ocupamos que tiveram outros donos porque seus antigos donos morreram. morremos um pedacinho a cada dia, a cada história terminada, a cada página virada e a cada capítulo encerrado. morreram nossas músicas preferidas, nossos filmes da vez, morreram amizades de longa data que nunca mais se encontraram, morreram as aulas da faculdade, os pileques dos vinte e poucos, morreram o primeiro beijo o primeiro pontapé e a primeira vez. assim como morrem os cheiros e gostos da infância, porque nós crianças já morremos; morrem os bichos de estimação, as flores no vaso e as boas frases que um dia esquecemos de anotar. morrem as piadas internas, os dias de neve, as manhãs chuvosas e também as ensolaradas. morrem as emoções de cada natal e cada virada de ano, assim como morrem os perus que são preparados na véspera.

morremos nós adolescentes e viemos nós, os adultos, para ocupar um lugar que também não será nosso pra sempre. um dia envelheceremos, morrerão estes jovens de 30 e poucos tão cheios de idéias e responsabilidades. morrerão, talvez, sem nunca ter conseguido sair desse enorme ciclo vicioso que é a vida: morrer um pouco cada dia para nascer de volta no outro, carregando sempre esse vazio deixado pelas mortes que já se foram…

[… tpm é: chorar quatro vezes por dia sem motivo palpável para nenhuma e escrever um texto emo sobre o nada…]

Advertisements

2 Responses to “aquele vazio.”

  1. silvia rocha February 5, 2009 at 6:43 pm #

    Que lindo! Que triste! Que verdadeiro! Que bom ter você como minha amiga, que bom que podemos compartilhar nossas fraquezas, nossas alegrias, nossas virtudes. Sabe do meu momento e sabe o quanto compartilho este sentimento de vazio que descreveu…

    Obrigada pela homenagem!

Trackbacks/Pingbacks

  1. se meu msn falasse… « Casa dos Trinta - November 5, 2009

    […] para a pessoa “colocar aqui sua mensagem pessoal”. e assim fez-se a zona… tenho saudades do msn tradicional, fotinho, nick e só. nada de frufruzices, mensagens que comprometem o caráter […]

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: